batman mundo real imagem foto omedi

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge | Suspensão da Descrença

Às vezes me perguntam o motivo para eu ser tão chato com os filmes do Batman.

Lá pelos idos de 2003, quando anunciaram que seria feito um reboot do Batman dirigido por Christopher Nolan, venderam descaradamente a idéia de que essa nova adaptação do personagem representaria o mundo real, ou mais próximo disso que conseguissem. Falharam miseravelmente, Batman Begins não passou nem perto do que eu acredito ser o mundo real (a não ser que ‘mundo real‘ na cabeça deles seja apenas fazer um filme em live action).

Não que eu tivesse acreditado, mas é o que eles me ofereceram, o que seria permitido eu cobrar depois.

batman mundo real imagem foto omedi

Quando eu desço a lenha nos filmes da trilogia The Dark Knight (que tem um título meio fajuto, já que o primeiro filme deveria se chamar The Dark Knight Begins) surgem fanboys defendendo o personagem com unhas e dentes e usando o argumento de que estou assistindo a uma ficção e não a realidade. E eu sempre me lembro que não era bem isso que estavam me vendendo lá no começo.

Eu sou um cara que entende e sabe lidar muito bem com famosa suspensão voluntária da descrença, mas não me digam que eu não preciso suspender nada:

‘Suspensão de descrença, suspensão de descrédito ou ainda “suspensão voluntária da descrença” refere-se à vontade de um leitor ou espectador, de aceitar como verdadeiras as premissas de um trabalho de ficção, mesmo que elas sejam fantásticas, impossíveis ou contraditórias. É a suspensão do julgamento em troca da premissa de entretenimento. O termo é tradicionalmente aplicado na literatura, no teatro e no cinema, embora também possa ser considerado nos videogames.’

Se estou assistindo ao filme do Godzilla, daí um taxi entra e depois salta da boca do lagartão gigante, eu aceito muito bem, pois estou assistindo a um filme de um monstro gigante destruindo Nova York – não sou idiota.

Mas quando os produtores de um filme me convencem que um marmanjo milionário órfão veste um pijama preto e amarra uma toalha no pescoço pode ser levado o mais próximo da realidade possível é isso que eu vou cobrar quando for ao cinema. Não me importa se é um filme de quadrinhos ou baseado em fatos reais, não tentem me enganar ou ao espectador com falácias e truques de marketing. Sejam honestos.

“I don’t like food; I LOVE it. If I don’t love it, I don’t swallow.”
– Anton Ego, Ratatouille.

Curtiu o post? Estes também são bem legais:

16 opiniões sobre “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge | Suspensão da Descrença”

  1. Cobrar realidade de um filme baseado em quadrinhos e que já possui uma alcunha de “Obra de ficção. Qualquer nome ou fato com a realidade é mera coincidência”. Na boa cara, se mata.

  2. Castrezana me explique como o Batman seria o mais realista possível sem ser chato e sem fugir da premissa dos quadrinhos.
    Percebeu como vc falhou miseravelmente e levar ao pé da letra seletivamente?

  3. Castrezana, o Sr. só está com inveja, porque não é bilionário como o Bruce Wayne e não pode ter os aparatos maneiros do Batman.

  4. Quer realismo? tem canais como a Discovery e a Nat Geo que passa de montão, agora não me venha cobrar de um filme baseado em quadrinhos!, acredito que você nao tinha que criticar, simplesmente isso, não conheço seu trabalho mas pelo que vi nos comentários você deve ser critico de cinema, come on man!, você consegue uma critica melhor que isso, não ficar soltando “achismos na internet”.

  5. Castrezana, vou começar dando razão para você: a trilogia é fraca. Batman Begins é melhor que qualquer Batman feito (antes ou depois), na minha modesta opinião, TDK foi uma mega produção ambiciosa, porém com muito pouco Batman e Coringa demais (o que só piorou com a morte do cara) e TDKR foi simplesmente uma decepção gigantesca. Deu para sentir que o Nolan quis se livrar de uma desse peso (até porque trabalhar com o Bale “sou o cara mais interessante do mundo” deve estar ficando cada vez mais difícil, sobretudo porque o Nolan deve reivindicar o título de “homem mais interessante do mundo” para ele mesmo…enfim, dois pulhas), mas não precisava ter chutado o pau da barraca desse jeito.

    Agora, tuas análises são foda de engolir cara: você foi o primeiro cara que conheci (entre aspas porque não te conheço) que teve a pachorra de redigir uma crítica sobre um filme baseado SOMENTE NO TRAILER… hahahaha… Quando li aquela sua “redação” intitulada “The Dark Knight Rises – Eu já sabia” pensei “Porra, o cara de alguma maneira viu o filme antes de todo mundo”. Mas daí eu fui vê-lo, e me liguei que você basicamente CHUTOU TUDO: Bruce Wayne aceita a vida de playboy e contrata Selina Kyle como empregada? Carro do Batman se transforma em um “avião” como um transformer? 80% do filme mostra porque Bruce Wayne deixou de ser Batman? Bruce Wayne só volta a ser o Batman no final do filme?

    Porra, um pouco mais de parcimônia na diarreia digital aí né cara… kkkkk

  6. De novo? Cara, pára com essa história de “fanboy, fanboy”, quem parece fanboy do contra aqui é você… Puta coisa chata, todo mundo que lê o seu blog já está cansado de saber que vc odeia o Nolan, o Batman dele etc. Lembro quando conheci esse blog há muitos anos atrás, achei muito legal, adicionei ao meus favoritos , recomendei ao meus amigos, mas hoje em dia acho que vc só regrediu, pelo amor de Deus, pare de ficar fazendo post do Batman pra render comentários.
    PTFO OU GTFO.

  7. Castra, voce esta defecando pela boca.
    Nao tenho obrigacao em defender personagem nenhum e se voce nao gosta do filme, o gosto e seu. Mas, seu argumento e bem chulezento.
    O filme e o mais proximo da realidade, realmente. Mas, “limitada” pelo universo do heroi… Entenda isso. Nao poderia ser mais “real” do que e. Se fosse, nao seria a historia de um heroi de quadrinhos.

  8. Pra mim, o filme de super-herói mais verossímil já feito foi “Corpo Fechado” (Unbreakable), do Shyamalan.

  9. Como fala merda². PQP que imbecil completo. Leia inumeras vezes o comentário do modokk e para de falar pelo anus. Retardado!

  10. Como todo publicitário, se acha O DIRETOR DE FILMES E SUPER ANTENADINHO nas tendências e coisa e tal, mas na verdade você não passa de um merda de um publicitário frustrado. As únicas coisas que passam em você é que você tem um site com mulhertes gostosas e é corinthiano, tirando isso, MORRE DIABO!

  11. Hahahahaha, os leitores do OMEdI te odeiam Castrezana.

    Mas enfim, será mesmo que o fato de não ser realista é o que te incomoda nos filmes do Batman? Você gostou de Inception, Amnésia, Insônia, O Grande Truque ou Following?

    Acho que no fim você não gosta mesmo é do Nolan.

  12. Claro que você não acreditou. Ele não é um MILIONÁRIO. É um BILIONÁRIO, mano.

    Agora, falando sério, como explicar um vigilante como o Batman com o realismo que você quer? Entre no espírito do Godzilla e aceite Bruce Wayne.

    E lembre-se dos filmes Batman eternamente e Batman & Robin. Talvez o contraste com esses dois lixos possam melhorar a “realidade” que foi oferecida por Nolan. Tecnologia dos personagens e origens, por exemplo.

  13. Castrezana, o blog e o gosto são seus, se você implica ou não com os filmes do Batman ou com quaisquer outros, sem problema. Mas sinto dizer que você foi enganado.

    Explico: Você parece compreender bem o que é suspensão de descrença, o que qualquer pessoa com acesso à internet e um Q.I. de dois dígitos é capaz de fazer. O que você não entende (e aí entra seu engano) é que o cinema não tem obrigação, e nem a capacidade, de retratar a realidade em que vivemos (ou o “nosso mundo”, ou qualquer outro sinônimo que se possa aqui empregar) com 100% de fidelidade. Isso acontece simplesmente pelo fato de haver entre o espectador e a ação que ocorre na tela um intervalo temporal (entre o momento da filmagem e a exibição), a câmera e a “visão” de uma ou mais pessoas, que podem ser o(s) diretor(es) ou os produtores do filme. Nós vemos o que eles querem que vejamos, e não o que está em volta, fora do alcance da câmera.

    Nem documentários são passíveis de serem classificados como “100% da realidade”, mesmo se baseando em eventos que aconteceram. São trechos de realidade, no máximo. Sempre ocorrerão simplicações, por motivos narrativos, e porque aquilo ali na tela não é a vida sendo vivida no momento em que a ação acontece, é uma mera CAPTURA. Caso assim não o fosse, não haveriam documentários (ou notícias) fajutos e/ou manipulados. Ou você considera que os filmes do Michael Moore como 100% reais???

    Dito isso, quando os realizadores de “Batman” dizem que o filme é uma abordagem realista de um super-herói que se veste de morcego, essa afirmação é puro marketing. Mais que isso, é paradoxal, pois nem se os filmes mostrassem, sei lá, bombeiros, eles seriam realistas. No máximo seriam “realísticos”: ou despidos de uma carga fantasiosa evidente, ou com a fantasia maquiada por conceitos pseudo-científicos. É isso que os filmes de Batman são. No frigir dos ovos, são tão realistas quanto ” Os Vingadores”, ou “Hugo Cabret”, “Harry Potter” ou mesmo o “Ônibus 174″.

    Se são bons filmes ou não, é outra história. Se você gosta ou não, é problema seu. Só não venha cobrar realidade de nenhum deles.

Não comentou ainda? DEMOROU!!!